Todos os Direitos Reservados

Este site é protegido pela Lei dos Direitos Autorais (Lei nº 9610) e toda e qualquer reprodução, parcial ou total, de um texto de minha autoria sem autorização está terminantemente proibida! Portanto, usem suas próprias cabeças para escrever no seu site, ok?! Ou sejam humildes e peçam autorização. Obrigada

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Por que brincar é importante para os cães?

E por que não seria? Para os cães e os humanos, não há diferença em brincar. É ótimo para dar uma pausa nas atividades mentais, uma boa atividade física e bom para aliviar o estresse. Física, mental e emocionalmente, é saudável.

Seja buscando uma bolinha no quintal ou correndo com o dono, os exercícios ou brincadeiras são vitais, pois ajudam o cão a extravasar a energia acumulada. Sem esse “escape”, eles podem ter problemas de comportamento que variam de destruir objetos a ansiedade de separação.

Assim como o cão preguiçoso se beneficia de uma voltinha no quarteirão, o cão que tem tendência a destruir o sofá ou cavoucar o jardim encontrarão a válvula de escape nas brincadeiras e nos exercícios. Geralmente, estas atividades física são parte importante na resolução de problemas de comportamento.

Brincar é muito bom para os cães poderem entrar em contato com seus “comportamentos naturais”.

15 minutos de alegria
A falta de brincadeiras pode ser um problema comum para cães cujos “pais” trabalham fora. Ainda assim, fazer o cão se exercitar através de brincadeiras nem sempre significam caminhadas que durem horas ou um uma série de atividades caninas: qualquer nível ou atividade tem o mesmo propósito.

Para o dono comum, buscar a bolinha é um bom jogo, principalmente se o cão recebe recompensas. Esta atividade não leva muito tempo – poucos cães agüentam mais que 15 minutos de correr atrás da bolinha de tênis ou do Frisbee.

Não exagere
Embora seja bom para um cão saudável correr 5 quilômetros com seu dono, não é necessário que todas as brincadeiras sejam interativas, seja com o dono ou outros cães. Aliás, há alguns efeitos colaterais entre dois cães que brinquem juntos, ou um dono que brinca com um cão cheio de energia acumulada.

Brincar com outros cães pode ser bem rude. Quando brincamos com nosso cão do modo como ele brinca com outro cão, podemos nos meter em encrencas. Eles gostam de usar a boca. Quando brincam com outros cães, usam suas bocas: mas essas mordidas não machucam os cães, mas com certeza nos machucam.

Ao brincar junto com um cão cheio de energia, é importante ter regras. O cabo-de-guerra é um ótimo jogo, mas deve haver regras bem específicas para não ser perigoso. Afinal de contas, não é novidade que um cão fique super entusiasmado com o jogo e o dono vire parte da disputa, podendo resultar em mordidas. Ao buscar a bolinha é menos provável que nos machuquemos.

Donos que querem que as brincadeiras sejam algo mais que simplesmente gastar energia podem inscrever seus cães em aulinhas de agility. É uma atividade que a maioria dos cães adora. O agility tem vários obstáculos para os cães, como em provas de hipismo, onde o cão deve passar corretamente por todos eles sem cometer faltas. Está se tornando um esporte popular. A maioria das aulas requer um comprometimento de várias semanas.

Por todos os benefícios físicos e emocionais que as brincadeiras proporcionam ao cão, existe uma brincadeira ruim? Talvez. Por definição, brincar não é ruim, mas pode-se tornar exagerada e ficar ruim.

Comece com uma boa dieta
Todas as atividades físicas prescritas para cães são baseadas assumindo-se que o cão seja saudável. A habilidade de agüentar as brincadeiras mais extenuantes começa com a dieta do cão. Existem alimentos que contribuem para a hiperatividade, enquanto outros para a letargia. Quanto melhor a dieta do cão, mais saudável ele será.

É importante notar que, no mundo das brincadeiras caninas, tamanho não é documento. Só porque determinada raça de cão é maior que outra não quer dizer que ele precise de mais exercício ou brincadeiras. Os Terra Novas, por exemplo, são uma das maiores raças do mundo, mas precisam de bem menos exercício que raças menores, como o frenético Jack Russell Terrier.

Especialistas também recomendam estabelecer horários para as brincadeiras – assim como fazemos com crianças. Isso lhe ajudará a estruturar uma rotina, a qual o animal esperará (e sabemos que cães gostam de rotina). Não se assuste se seu cão ficar chateado se você pular uma sessão – e tirá-lo do sofá.

Fonte: PetPlace.com
Tradução: Fúlvia Zepilho de Andrade