Todos os Direitos Reservados

Este site é protegido pela Lei dos Direitos Autorais (Lei nº 9610) e toda e qualquer reprodução, parcial ou total, de um texto de minha autoria sem autorização está terminantemente proibida! Portanto, usem suas próprias cabeças para escrever no seu site, ok?! Ou sejam humildes e peçam autorização. Obrigada

terça-feira, 18 de abril de 2017

Influência do estresse nos cães: Parte III

Chegamos à terceira parte da série sobre estresse. Aqui falaremos sobre as principais mudanças comportamentais que vemos quando o cão está estressado e como o estresse afeta a saúde dos nossos amigos.



Mudanças comportamentais em cães causadas pelo estresse:

  • Agressividade: na maioria das vezes, a agressividade ocorre por conta de um estresse pós traumático do cão. O comportamento de agressividade é causado pelo medo, que leva ao estresse. Outro exemplo é quando um cão sente muita dor, ele fica estressado porque a dor é muito intensa, e para que evite que os humanos o incomodem no local da dor, ele passa a reagir de forma agressiva.
  • Latidos excessivos: devido à falta de estímulos físicos e/ou mentais, além de pouco contato humano, os cães por ficarem entediados, acabam ficando estressados e frustrados, o que leva a latirem com mais frequência. Exemplo: vemos frequentemente em cães cheios de energia que ficam em casa o dia inteiro e possuem pouca atividade diária suficiente para suprir suas necessidades de energia.
  • Tremores: quando um cão passa por um estresse traumático, ele passa a sentir mais medo que o normal, devido a vários traumas ocorridos anteriormente. Um exemplo é quando um cão que estava habituado a ir num pet shop tomar banho, e a dona muda o local e o cão começa a tremer ao chegar no local.
  • Inquietação: este é um dos comportamentos mais comuns quando o cão está estressado. O cão não consegue ficar relaxado, fica andando de um lado pra outro. Vemos esse exemplo também em cães que viveram muito tempo na rua, e ao serem resgatados na velhice, por terem se acostumado a viverem com barulhos e cheiros diferentes diariamente, ficam meio perdidos tentando encontrar algo na casa para se ocuparem.
  • Comportamento destrutivo: mesmo um cão calmo, que passou parte de sua vida em creche, e passa a ficar sozinho na casa, pode apresentar comportamento destrutivo, causado pelo tédio de não possuir atividade para se ocupar. Outro exemplo é quando ocorre uma mudança na rotina na casa (chegada de animal novo ou um bebê, por exemplo), se os donos não ajudarem a se adaptar, o cão pode ficar estressado, e se os donos não prestarem atenção no que está ocorrendo, o cão pode procurar algo para conseguir relaxar, podendo roer ou morder algo que não é dele.
  • Necessidades fora do lugar: também uma das mudanças comportamentais mais comuns causadas pelo estresse. Na maioria das vezes, ocorre por mudança na rotina, como mudança de casa, animal novo, ou até mesmo ausência do dono. Um exemplo é quando precisei me ausentar duas semanas de casa, e embora aparecesse algumas vezes, precisei dormir fora. Isso acabou deixando o Chaves estressado, e ele passou a fazer xixi fora do lugar.
  • Letargia: o cão não sente motivação para fazer nada, passando a ficar deitado por mais tempo que o habitual, além de dormir mais. Em alguns casos o cão também fica sem comer. Um exemplo é quando uma das filhas da Fúlvia começou a frequentar a escolinha, um de seus cães, o Pistache, ficava no cantinho dele triste, e nem chegava a comer.
  • Vômitos: alguns cães ficam tão estressados que chegam a vomitar. Fúlvia conhece um caso assim. Quando o cãozinho fica muito tempo sozinho, ou quando se assusta com algo, ou na mudança de rotina, ele vomita.


Como o estresse afeta a saúde dos cães
Assim como em nós, humanos, o estresse também afeta a saúde dos cães. Isso porque o estresse aumenta a liberação do cortisol, um hormônio que afeta negativamente o sistema imunológico, tornando o cão mais suscetível a várias doenças. As alergias são uma delas. O aumento do nível dos hormônios do estresse (a adrenalina também é um deles) afeta também o sistema cardiovascular, fazendo com que a expectativa de vida também diminua.


O mais comum de vermos é a dermatite. Cães e gatos estressados tendem a se lamber muito. Principalmente por tédio (como visto acima, nos sinais de estresse).


Existem alguns casos de depressão: cães e gatos deixam de comer e parecem não querer fazer nada. Quantas vezes não soubemos de casos de cães e gatos idosos que foram abandonados e, mesmo sob cuidados de outras pessoas, faleceram por não quererem comer?



Se os cães vivem em constante estado de estresse, eles podem ter sua saúde afetada. Mas nós podemos contornar essa situação. No próximo post da série, iremos falar sobre como evitar/prevenir o estresse. 

sábado, 28 de janeiro de 2017

Princípios para um cão saudável e longevo - parte III

Um protocolo de limpeza natural para manter seu cão saudável
Se nos mantivermos bem informados, as chances de manter um cão em perfeita saúde são bem altas. Se você quer isso, precisamos entender o que acontece quando uma substância artificial, ou uma toxina, entra no corpo.

Efeitos das toxinas
As toxinas podem ser comparadas com aquele seu vizinho chato e barulhento, que acaba com sua paz de domingo ao gritar, buzinar, ouvir música e brigar em um volume extremamente alto. Neste caso, a saúde do seu cão é a sua paz de domingo. As toxinas e os produtos químicos interferem com a boa saúde, eles tomam conta dos receptores do corpo e interrompem as reações metabólicas.

Como podemos saber o que é bom e o que é perigoso?
Impossível de saber. As reações de remédios, químicos, pesticidas e outras toxinas são tão complexas que não se pode decifrá-las. As pesquisas feitas para se liberar um remédio não consideram seus efeitos a longo prazo.
Por exemplo, um cão desenvolve câncer e existem vários fatores que podem ter feito a doença se desenvolver, mas não sabemos ao certo qual é a causa exata.
A única solução é limitar o uso de substâncias artificiais na vida do cão.
Sabemos que os remédios salvam vidas, principalmente em situações como traumas, emergências ou quando o cão perde a capacidade de produzir hormônios essenciais, como insulina: neste caso os remédios podem ser a única solução. Mas doenças onde os remédios são a única solução possível são raras. O veterinário diz que diminuiu drasticamente o uso e prescrição de remédios e obteve melhores resultados.

Remédios como último caso
No melhor dos casos, os remédios são “muletas” no processo de cura e é preciso parar de usá-los o mais rápido possível. Hoje muitas pessoas morrem devido aos efeitos colaterais dos medicamentos e por tratamentos ineficazes (o mesmo ocorre com nossos cães).
O corpo é programado para se livrar de tudo que é estranho. Este processo é chamado limpeza e desintoxicação. Em um indivíduo jovem este processo é mais eficaz, mas com a idade a eficácia diminui: igual a um filtro.

O processo de limpeza
Alguns elementos tóxicos são postos pra fora, mas minerais essenciais competem pelo menos lugar nas células. Exemplo: cálcio e magnésio são capazes de tirar o chumbo do corpo. Cádmio tem menos chance de ficar no corpo de seu cão se a dieta dele for rica em zinco. O problema é que o solo é deficiente em minerais então, os alimentos também o ficam: isto permite que as toxinas tenham maiores chances de ficar no organismo. As vias de desintoxicação mais importantes estão ligadas ao fígado, rins, pulmões, glândulas anais e sistema digestivo. As lágrimas também eliminam toxinas: depois de uma limpeza, muitas pessoas dizem que não há mais manchas nos pelos em volta dos olhos e nem remelas.
Se você quer manter seu cão saudável, evite o uso de químicos o máximo possível, tanto no corpo do cão quanto no ambiente onde ele vive: produtos de limpeza, sabão em pó, a comida que compramos, remédios, anti pulgas etc.
Esteja preparado, porque algumas pessoas irão questionar tudo isso que você está fazendo (falo por experiência própria, no começo das mudanças). Se mantenha informado e saiba que está fazendo o melhor pelo seu cão (e por você mesmo).

Aqui está o terceiro princípio da longevidade
Ao escolher um produto, escolha um natural e tente substituir os produtos químicos por alternativas naturais.
Quanto à desintoxicação, ele dá o exemplo do filtro de água, que precisa ser substituído de tempos em tempos e que nós precisamos manter o “filtro” dos nossos cães em forma.


Um simples programa de limpeza
Passo 1. Tire as toxinas suplementando a dieta de seu cão com minerais essenciais e amino ácidos (alguns suplementos naturais que uso e têm esta função: cúrcuma, óleo de coco, levedo de cerveja, cloreto de magnésio, kefir, iogurte natural etc).
Passo 2. Mantenha o “filtro” principal de seu cão limpo – fazendo uma limpeza no fígado a cada seis meses, por um ano. Ele explica mais sobre isto neste link.

Passo 3. Siga os passos da natureza e use a água como o agente de limpeza interno do cão. Ofereça água filtrada e sem cloro, pois o cloro pode ter um efeito negativo nas bactérias benéficas do trato intestinal dos cães. Ele pede pra evitar darmos água mineral porque ela é embalada em plástico e ele pode ser perigoso: sugere que se dê água de um filtro (aqui usamos de filtro de barro, com um filtro que retira o cloro). Além de ser bom para nós e nossos cães, é bom para o meio ambiente também.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Como não ser um dono insuportável

Se você for capaz de não fazer estes nove itens da lista, então você é bem bacana!

1. Lambidas
Não deixe seu cão lamber a boca das visitas. Eles lambem e comem coisas que a gente não acha nem um pouco saborosas...

2. Coleira retrátil
Elas podem causar acidentes, sim! Este vídeo do youtube é a prova disso.

3. Não diga: "Ele não faz nada!"
Sério? E daí? E se o MEU não for sociável? Se tiver medo de outros cães? E se o seu cão atacar e eu precisar dar um jeito pra proteger o MEU cão, como fica?

4. Mantenha seu cão longe do meu
"Meu cachorro só quer dar um OI"
Enquanto isso, você está tentando controlar seus dois cães reativos com outros cães... eles não querem falar OI pro seu cachorro: querem outra coisa.

5. Aprenda a lidar com seu cão
Não é engraçado um cão pequenininho ficar rosnando e latindo pra todos os outros. E se fosse um cachorro gigante fazendo o mesmo? Você acharia legal ou bonitinho?
Outra dica: não permita que crianças se aproximem dos cães alheios: pergunte para o dono primeiro se o cão é dócil, se pode fazer carinho e ensine a criança o modo certo de se aproximar e acariciar um cão.

6. Não fique gritando "VEM" cada vez mais alto
Ou qualquer outro comando. Se ele não te atende, é porque você ainda não ensinou direito pra ele o que VEM significa.

7. Não mostre tantas fotos do seu cachorro
Você pode mostrar algumas, afinal eu adoro cães... mas não todas as 275 fotos que você tem dele no seu celular... risos.

8. Não esqueça o saquinho
Leve sempre dois com você. Ou até mais. Mas nada PIOR do que deixar caca na casa dos outros, não é mesmo?

9. Ande com seu cão na guia
Por vários motivos, muitos dos quais já falei acima. E também por ser mais seguro: afinal, ninguém quer ver seu amado cão se assustar com algo e correr pra uma pista movimentada. O final nunca é bonito.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Princípios para um cão saudável e longevo - Parte II

A comida de seu cão contém mercúrio ou arsênico?
No post anterior foi falado o primeiro passo para eliminar uma causa potencial de doença. “Potencial” porque a doença é deflagrada por múltiplos fatores e não apenas um. Por exemplo: o cão desenvolve doença renal os fatores que podem tê-la causado podem ser (mas não são limitados apenas a estes) alimentação seca, um machucado na terceira vértebra lombar, predisposição genética, falta de acesso à água ou o uso de remédios anti-inflamatórios não esteroides.
Não sabemos ao certo como uma doença se desenvolve. A toxicidade é um dos fatores e um exemplo disso é que dietas baseadas principalmente em peixes podem causar uma elevação de mercúrio no corpo dos cães, que podem levar a diversos problemas como epilepsia, problemas neurológicos, mudanças comportamentais, doenças renais e hepáticas, entre outras.
A causa mais comum de toxicidade é o acúmulo gradual de várias toxinas ambientais e aditivos alimentares, o que torna praticamente impossível saber quais e a quantidade delas que no corpo. Algumas como mercúrio, arsênico, chumbo e estrôncio dão alguma ideia de como está a saúde do seu cão.

Exame de sangue ajuda?
O exame de sangue ajuda a saber as condições orgânicas, se está tudo bem com as células sanguíneas e avaliação hormonal.
Mas, quando se trata de toxinas e minerais, ele oferece uma resposta instantânea e precisa ser feito por um período de tempo relativamente longo.


Quais alimentos têm grande quantidade de toxinas?
Aqui ele cita um teste feito com o pelo do cão, que dá um resultado mais acurado para saber da saúde do cão quanto às toxinas. Aqui no Brasil não sei se existe o exame e nem qual o valor, mas no Canadá existe e, segundo ele, é barato. Diz que, com este teste, dá para saber quais alimentos estão relacionados ao nível elevado de certas toxinas.

Outro benefício adicional do exame é mostrar o nível dos minerais essenciais no corpo dos cães. Ele indica este exame para aprendermos mais sobre o nível das toxinas no corpo dos cães e também dos minerais essenciais, e dá para saber se o que damos para ele comer ajuda ou não na manutenção e melhora da sua saúde como um todo.

No próximo post será tratado do processo de limpeza e desintoxicação. 

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Princípios para manter o cão saudável - Parte I

Feliz 2017 a todos!

Que tal iniciar o ano com posts que nos ajudarão a manter nossos cães saudáveis e, por que não?, mais longevos? Começarei a escrever resumos de uma série de um veterinário canadense sobre o assunto. Boa leitura!

Recentemente li uma série de um veterinário canadense sobre os 16 princípios para manter seu cão saudável. Vou resumir cada um deles, dizendo aqui os pontos principais. Neste primeiro post, falarei do primeiro princípio. Vamos deixar nossos cães mais saudáveis a partir deste ano que se inicia?
Uma das coisas que ele fala, e eu não fazia a menor ideia (tá vendo como pesquisar é bom?), é que não devemos medicar imediatamente nossos cães (e nem nós mesmos) para suprimir uma inflamação. Se ela for curta e saudável, ela ajuda a ter uma cura mais rápida., o que não aconteceria se bloqueássemos esta reação natural do corpo. A febre é um bom exemplo. Além disso, remédios antiinflamatórios podem causar doenças renais, hepatite e úlceras estomacais em nossos cães.
Outro exemplo que ele dá é em relação a prevenção de vermes. Achamos que dar vermífugo periodicamente aos nossos cães é a melhor forma de prevenção contra vermes (muitas vezes dados mensalmente), mas há um protocolo muito melhor a ser seguido, que eu sigo com os meus: exames de fezes periódicos e uso de vermífugos apenas se houver verminose nos resultados (nunca, em seis anos de alimentação crua, eles tiveram vermes).
Algo que eu achei muito legal ele falar é que não precisamos todos ingressar em um curso de medicina veterinária para fazermos aquela diferença na saúde de nossos cães, mas precisamos sim entender alguns princípios a serem usados nos cuidados com nossos cães, prevenindo doenças e, caso elas aconteçam, você ser capaz de escolher junto ao médico veterinário de confiança de seu cão o melhor tratamento.
Abaixo listo algumas das coisas que ele citou (algumas delas vou escrever um bocadinho):



O princípio básico da saúde é seguir a natureza;

Tudo na natureza e no Universo é um ciclo;

A única diferença é no comprimento destes ciclos;
O ciclo mais longo que conhecemos é a existência do Universo em si. Sabemos que o Universo está se expandindo mas, uma hora, ele irá se contrair. O mesmo ocorre com o Sol: agora é estrela brilhante e poderosa, mas uma hora seu combustível vai acabar. As mudanças que ocorrem na Terra também afetam a vida: fazem com que ela desapareça para, mais para a frente, surgir novamente (lembram dos dinossauros?).
Quando se trata de nós ou de nossos cães o ciclo é bem menor, mas parecido com todos os outros ciclos, ou seja: o fim é inevitável.


Como podemos aumentar a vida de nossos cães?
Aprender como fazer isso leva tempo. O mesmo quando aprendemos alguma habilidade nova. Aprender como aumentar a longevidade de nossos cães e mantê-lo saudável requer um conhecimento de princípios de cura. Boa saúde representa um ciclo de vida mais longo e má saúde representa um ciclo de vida pequeno.
O ciclo de vida de nosso planeta diminui conforme o desgastamos: poluição, pesca excessiva, desmatamento etc. O mesmo acontece com nossos cães (e conosco). Respeitar os processos naturais do corpo torna a vida deles mais longa; por outro lado, poluir o corpo com química e alimentos pobres e cheios de toxinas levam a uma vida mais curta.


Cure como a Terra cura
Por mais que inventemos coisas, é a Terra que dá os melhores alimentos, os melhores materiais e a que melhor nos cura.


Três passos para o Ciclo da Cura
1º. Limpar e Desintoxicar

A Terra tem seus jeitos de limpeza. A chuva leva as impurezas dos rios para os oceanos e os oceanos se limpam através do sol, das ondas e da areia; os raios solares UV são conhecidos por desinfetar e limpar; os oceanos absorvem uma grande quantidade de CO2 e as florestas usam o carbono para o crescimento de plantas e árvores.

Estaria tudo perfeito se nós, humanos, não destruíssemos esse equilíbrio. Criamos sempre coisas novas mas não pensamos nos perigos e consequências delas.

O corpo é bem parecido. Mantém suas funções pelos processos de limpeza através da respiração, eliminação de urina, pelo fígado. Nos cães, a glândula anal também tem um papel importante na desintoxicação.
Para termos um ciclo de vida maior, é preciso reduzir ou eliminar a quantidade de substâncias artificiais e dar ao corpo o que ele realmente precisa.
Muitos de nós não entendemos o efeito de remédios, conservantes e química no corpo. Sabemos o efeito imediato de remédios e produtos químicos mas, a longo prazo, não sabemos ao certo quais são estes efeitos. E, como não sabemos se uma substância artificial contribui para doenças no futuro, o melhor a fazer é minimizar o seu uso sempre que possível. Este é o primeiro princípio para se ter um cão saudável por muitos anos.

Evite substâncias artificiais, aprenda os efeitos da toxina no corpo e faça, a cada seis meses, uma desintoxicação. No segundo artigo, o veterinário escreve sobre doenças e como preveni-las.