Todos os Direitos Reservados

Este site é protegido pela Lei dos Direitos Autorais (Lei nº 9610) e toda e qualquer reprodução, parcial ou total, de um texto de minha autoria sem autorização está terminantemente proibida! Portanto, usem suas próprias cabeças para escrever no seu site, ok?! Ou sejam humildes e peçam autorização. Obrigada

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Cão educado é cão feliz

Cão educado é cão feliz. Mas, por que? Simples: um cão educado é bem recebido com seus tutores em locais que aceitem animais de estimação (hotéis, restaurantes, bares); um cão educado vive com contato intenso com seus tutores, pois segue as regras da casa e não causa transtornos; um cão educado vive mais, pois permite que seus tutores verifiquem com mais rapidez quaisquer eventuais problemas de saúde, seja uma simples pulginha a um caso recém iniciado de dermatite; um cão educado tem mais amigos, é bem vindo nas casas dos amigos dos tutores devido ao seu bom temperamento; e por aí vai.

Como vimos, só existe vantagens em se ter um cão educado. Hoje vou tratar de três probleminhas relacionados a receber visitas em nossa casa e educar nosso melhor amigo para ser um excelente anfitrião!

Lembrando que sou contra a chamada punição positiva, ou seja, quando acrescentamos algo ruim para evitar um comportamento do cão (pisar nas patas dele quando ele pula na gente, por exemplo). O cachorro evita fazer por medo e esse método pode comprometer o laço que nos une aos nossos amados (em alguns casos compromete mesmo, a ponto de o cão não fazer mais nada por medo, pavor da gente). Meus comentários no texto estão em vermelho. 

Se seu cachorro...
Corre até a porta sempre que toca a campainha
Ensine-o o comando "espere". Coloque sentado ou em stay (alguns cães, como os galgos, se sentem desconfortáveis quando ficam sentados, portanto, neste caso, opte por deixá-lo em stay) e com a palma da sua mão aberta perto do cachorro diga "espere". Depois de alguns segundos com ele parado, recompense-o. Aos poucos, vá se distanciando devagar do cachorro, até você colocar a mão na maçaneta da porta. Se seu cachorro sair da posição, repita o procedimento até que você consiga abrir a porta sem que ele saia correndo por ela. Para testá-lo, peça para alguém da família tocar a campainha. Se ele correr, feche a porta. Não deixe que seu cachorro saia do lugar até que a pessoa tenha entrado na sua casa. Confesso que este treino eu não conhecia e vou colocá-lo em prática quando chega gente. Quando saímos ela não tenta sair, mesmo se deixarmos a porta aberta. Falta fazer o teste com a chegada de gente (Letíciaaaa... você vai me ajudar neste, filha).

Se seu cachorro...
Pula nas visitas
Não faça escândalo. Ao invés disso, diga ao visitante: "Meu cão está sendo treinado. Por favor, ignore este comportamento". Então, dê as costas ao seu cachorro e peça que o visitante faça o mesmo. Pular é a maneira que nossos cães usam para chamar nossa atenção. Quanto menos atenção ganhar, menos excitado ficará. Quando seu cão se acalmar - quando estiver com as quatro patas no chão -, espere uns cinco segundos e então recompense-o. Até que este comportamento acabe, você terá mais alguns episódios de cães pulando nas visitas. Mas seja persistente! Afinal, você quer ser o primeiro a cumprimentar as visitas. A Suzie tem melhorado, mas não está 100% neste treino. E eu tenho ciência que a culpa não é dela, mas desta humana que vos escreve.

Se seu cachorro...
Pede comida na mesa
Bloqueie-o com seu corpo e diga "Para trás" (eu uso um "Ê ê" que a Suzie entende na boa) enquanto o retira do local com delicadeza (nada de ficar dando joelhada no cachorro, pisando nas patinhas, nada disso, ok?). O bloqueio corporal é como os cães controlam seu espaço então, quando fazemos isso, comunicamos aos cães que aquele é nosso espaço e o reivindicamos. Lembre-se: bloqueie sem fazer contato físico.

Fonte: Victoria Stilwell     
Foto: Suzie fingindo ser bem comportada (tirada por uma grande amiga, Helena, lá de Brasília)

8 comentários:

Helena. disse...

A Victoria é o máximo!!!
FAzia tempo que eu não passava por aqui. vou precisar de um bom tempo pra tirar o atraso, rsrs.
Adorei a foto da Suzie, essa é das antigas mesmo, rsrs. Preciso voltar pra tirar mais...
bjooos!
Helena.

Fúlvia e Suzie disse...

Oi Helena!

Ah, a Victoria dá de dez a zero no Cesar Millan =p Não q eu não goste dele, acho muito legal o que ele faz (quantos cães escaparam de ser eutanasiados e/ou ganharam um novo lar por causa dele; o esquema de exercício dele; essas coisas todas eu acho muito legais e super válidas), mas prefiro o método positivo da Victoria (e, com isso, mais longo tb).

Precisa mesmo dar um pulinho aqui e tirar trocentas fotos! Vc nem tirou da minha barriga pq eu não tinha =P Agora tem a Lê p/vc tirar foto tb =)

Beijão!!!

Adote Gaspar disse...

oi, adorei seu texto, é como a Sara sempre me fala, sempre procurar ser uma treinadora que respeita os animais, o caminho mais fácil pode n ser o melhor caminho, procuro sempre pensar nisso no meu dia-a-dia de trabalho,assim como vc, gosto de algumas coisa no Cesar, mas outras fico indignada, parabéns pelo texto, é de informações assim q as pessoas precisam!!!! bjosss

Camilli Chamone disse...

Ei Ful! Adorei seu texto! Ando lendo bastante sobre adestramento - não gosto deste nome, existe outro melhor? rs

Cesar Millan, Victoria Stilwell, Pavlov, Ian Dunbar, Karen Pryor, o made in Brazil, Alexandre Rossi... Olha, é MUITA gente tratando de um mesmo assunto!

Sou adepta da punição positiva em determinadas situações e, baseada na minha experiência,quando bem indicada ela resolve o problema e não provoca nenhum transtorno no cão.
Acompanhando meus frenchies, observo que a punição positiva é presente entre eles. Por exemplo: a mãe que decide não amamentar mais seus filhotes, rosna para eles. Será que os filhotes ficarão traumatizados, com medo, e perderão os laços com a mãe?

Não estou fazendo apologia à técnica... apenas uma pequena reflexão. Mas, hoje, 14/09/2010, ainda acredito que é um estado mental hostil e atitudes agressivas que levam ao rompimento de um vínculo amoroso entre o humano de estimação e seu cão.

Uma coisa que andei aprendendo, lendo tanto sobre tantas teoria é o seguinte: todas parecem boas e todas apresentam resultados.
Entretanto, o que eu nunca li, é que é importante a pessoa se identificar com a ténica que vai utilizar, para executá-la bem. Quando se compreende profundamenteeeeeeeee o funcionamento de determinanda técnica, acredita-se nela "com a alma" e isso é o necessário para que ela possa ser aplicada. O cão sente isso!

A técnica do clicker é ótima, né? Mas, tenho muitas dificuldades em aplicá-la a tudo que desejo. Entretanto, me sinto uma Cesar Millan de saias! Sou capaz de aplicar tudo que ele ensina - em meus frenchies, rs - com bastante facilidade.

E, sim, é verdade! Cães educados são mais felizes.
Meus frenchies são educados, muito integrados à minha vida e à sociedade.

Beijos!
:)

Fúlvia e Suzie disse...

Olá Adote Gaspar!

Eu procuro seguir uma coisa que o Cesar fala: não ter raiva do cão. E não tenho. Mesmo se a Suzie apronta das suas =p Também sigo o que ele fala sobre exercitar e deixar o cão mais calmo, e não agitado. Técnicas de educação prefiro usar de outros adestradores, como a Victoria Stilwell, Pat Miller, Patricia McConnell. E claro, a Sara =) Ela me ajudou muuuuito com a Suzie, e segue ajudando, sempre de maneira positiva e sem contato físico.

Beijos!

Fúlvia e Suzie disse...

Oi Camilli, tudo bem? Ah, que bom que gostou do texto! =)

Então, tenho preferido usar o termo "educação", afinal, é o que fazemos, não é mesmo?!

Já usei punição positiva também, mas despersonalizada. Assim, ela não a associava comigo, mas a uma "força superior". Afinal, eu queria que ela NUNCA fizesse aquilo e não somente na minha presença =) Outra coisa q faço quando dou trancos na guia é em caso de extrema necessidade: ela vai tentar comer lixo, por exemplo. Nestes casos, não sei se dá p/ usar outro método q não o tranco na guia. Arriscar a vida dela eu não arrisco.

Não curto muito, hoje, de me comparar com cães =p Antigamente eu pensava assim também: "os cães fazem isso e eles nos veem como cães". Mas, lendo tantos e tantos livros de comportamento, lendo sites dos adestradores que gosto, lendo pesquisas, vi que os cães nos veem como humanos mesmo e não nos encaram como matilha. Então, sou adepta de "somos os pais dela": assim, a educamos da maneira como educamos a Letícia (claro que com as devidas proporções, risos).

E você está certíssima: todas as técnicas e teorias dão sim resultado. Não existe uma que é a mais certa, a única certa. Não tem. Existe sim aquela com a qual nos identificamos. Eu, por exemplo, não me enxergo fazendo o que o Cesar faz; me vejo seguindo os passos da Pat Miller. Os resultados demoram mais a aparecer, porque se faz tudo aos poucos, usando shaping, luring, targeting... demanda-se tempo mesmo. Esses dias estou ensinando a Suzie a achar a Letícia usando shaping e é complicado. Mudança de comportamento é demorado também, mas é o método que eu prefiro, condiz mais com a minha natureza.

Não sou hipócrita e critico ninguém: apenas digo que, para mim, não funciona. Porque, fala sério, se o Cesar fosse assim tão ruim, os cães dele seriam felizes do jeito que é mostrado na TV? Ao menos ele tenta fazer algo bom, salva vidas de animais, educa tutores a fazer o melhor para o cão, abriga animais abandonados, castra-os e doa-os para donos selecionados. Se isso é ser ruim... sinto, mas eu sou um monstro então =)

Acho que me fiz entender, né?! Não sou contra as pessoas em si, mas não acredito que devamos seguir uma técnica que não condiz com o que acreditamos, como você mesma falou =)

Beijos! E vamos seguindo educando as pessoas com nossos blogs, né?!
Ful

Tem cachorro na cozinha disse...

Fúlvia, parabéns. Amei seu texto ;)

Educar Sushi não foi nada fácil (para não dizer praticamente impossível). Hoje, acho que cheguei aos 98% do que eu queria. E, com Sushi, sempre usei a recompensa quando ela fazia o que era certo. Meu maior problema com Sushi era agressividade dela.
Acredita que, apesar dos seus 22cm, há mais ou menos 1 ano e meio eu não podia receber visitas, pois ela não deixava? Entregadores aqui em casa era sinônimo dela latindo até ele ir embora. Fui mudando isso aos poucos: quando chegava alguém, antes dela correr pra porta, chamava ela com a mão cheia de biscoitos e enquanto o entregador estivesse aqui, ia dando [se ela não latisse]. Hoje, ela não se importa tanto com a presença deles. hehehe Já 'deixa' eu receber visitas. Só não deixa elas alisarem... rsrs
Hoje, já consigo ir ao supermercado, por pouco tempo [5-1o minutos] e deixar Sushi na porta me esperando ;)

Acho que só preciso consertar nela hoje a corridinha que ela dá para a porta quando alguém toca a sirene ;)
Vamos ver como faço isso :)

Bjoos, Nara

Fúlvia e Suzie disse...

Oi Nara!!

É, reforço positivo demooora, mas é recompensador, né?! Saber que o cachorro entendeu de verdade o que queremos, sem precisarmos usar punições, é algo que eu acho lindo!

Mas é como eu disse acima: cada pessoa faz do jeito que se adapta melhor, né?! Eu não conseguiria me adaptar com punições, me sentiria muito mal. Isso é meu =)

E sucesso com a Sushi! E que venham muitas visitas tb hehehehe.

Beijos!