Todos os Direitos Reservados

Este site é protegido pela Lei dos Direitos Autorais (Lei nº 9610) e toda e qualquer reprodução, parcial ou total, de um texto de minha autoria sem autorização está terminantemente proibida! Portanto, usem suas próprias cabeças para escrever no seu site, ok?! Ou sejam humildes e peçam autorização. Obrigada

domingo, 25 de julho de 2010

Sinais de estresse

Estou lendo um livro muito legal da Pat Miller e resolvi que algumas coisa são muito importantes para que fiquem só comigo: é bom compartilhar com vocês todos. Pelo bem de nossos cães e da gente também!

Sinais de Estresse

Aprenda a reconhecer os sinais de estresse em seu cão


Donos conscientes estão sempre prestando atenção aos possíveis sinais de estresse em seu cão, aliviando a tensão quando estes ocorrerem. Aqueles cujos cães se estressam facilmente geralmente se tornam super vigilantes, prestando atenção aos mínimos sinais que antecipam os comportamentos relacionados ao estresse mais óbvios para impedir reações desagradáveis.


Se mais donos se conscientizassem dos sinais sutis de estresse, menos cães morderiam. Isso seria ótimo.


Porque desestressar ajuda

Existem muitas razões que tornam importante o fato de procurar por sinais de estresse, incluindo:


  • O estresse é a principal causa universal de agressão.

  • O estresse pode ter um impacto negativo na saúde do cão.

  • A habilidade do cão de aprender é prejudicada quando ele está estressado.

  • O cão responde mal aos comandos quando estressado.

  • Condicionamento negativo clássico pode ocorrer como resultado de estresse.


Por todas estas razões, e outras mais, vale a pena verificar se seu cão demonstra algum sinal de estresse e fazer o melhor para tornar-lhe a vida mais fácil.


Abaixo estão listados alguns comportamentos que indicam estresse, mas que muitos deixam passar. Em cada um deles, o curso de ação imediata e apropriada é identificar o causador do estresse e descobrir como diminuir a intensidade deste estímulo. Em muitos casos basta aumentar a distância entre seu cão e o causador de estresse – seja uma criança, outro cão, barulho muito alto, pessoas de uniforme, homens de barba...


Se possível, remova o que causa estresse do ambiente. Se ele se estressa quando você grita com ele, com coleiras que dão choque ou com o barulho dos carros de corrida na televisão, simplesmente pare de expô-lo a estas coisas. Para todos aqueles que não podem ser removidos, um programa de contracondicionamento e dessensibilização pode mudar a associação do cão com o que lhe causa estresse de negativo para positivo.


Sinais de estresse

Anorexia

O estresse causa a perda do apetite. Um cão que não aceita petiscos, mesmo os mais gostosos para ele, pode estar só distraído ou sem fome, mas geralmente é um indicador de estresse.


Sinais para acalmar ou de submissão

Nem sempre indicam estresse. Sinais para acalmar e que mostram submissão são ferramentas de comunicação importantes no dia a dia para manter a paz na hierarquia social e geralmente são oferecidas pelo cão em interações calmas e sem estresse.


Geralmente são oferecidas pelo cão que tem um lugar mais baixo para outro que tenha um posto mais alto no grupo social para promover a tranquilidade do grupo e a segurança dos cães mais subordinados. Quando oferecidos juntamente com outros comportamentos, podem ser indicadores de estresse. Estes sinais incluem:


  • Se mover lentamente: Os cães mais subordinados parecem se mover em câmera lenta.

  • Lamber os lábios: Os cães mais subordinados lambem os lábios dos cães com posto mais alto na matilha.

  • Sentar / Deitar / Deitar de barriga pra cima: Os cães mais subordinados mostram submissão ao “diminuir” o tamanho do seu corpo, além de expor suas partes vulneráveis.

  • Virar a cabeça / Desviar os olhos: Os cães subordinados evitam contato com os olhos e expõe o pescoço.


Prevenção

O cão se vira; fica parado; evita contato com o dono; evita os petiscos.


Expressão assustada

Aparecem rugas na testa e em volta dos olhos do cão.


Problemas digestivos

Vômitos e diarreia podem ser sinais de doença ou de estresse; o sistema digestivo reage bastante ao estresse. Enjoos no carro geralmente são uma reação de estresse.


Comportamentos de substituição

São comportamentos executados no esforço de resolver um conflito estressante para o cão, não relacionado à hierarquia. Podem ser observados em um cão que está estressado e isolado (por exemplo, um cão deixado sozinho na sala de exame do veterinário), diferenciando-os de comportamentos relacionados à hierarquia.


Estes comportamentos incluem:


  • Piscar: Os cães piscam mais rápido que o normal.

  • Lamber o nariz: Lambem o nariz repetidamente, muitas vezes.

  • Ranger os dentes.

  • Se coçar.

  • Se chacoalhar. Se o cão está molhado, é normal. Se ele estiver seco, não.

  • Bocejar.


Babar

Pode ser um indicador de estresse – ou uma resposta à presença de comida ou pode indicar um machucado na boca.


Se limpar excessivamente

O cão lambe ou mordisca as patas, flanco, cauda e genitais, podendo chegar ao ponto de automutilação.


Hiperatividade

Comportamento desvairado, andar sem descanso, algumas vezes mal interprateado como “ignorar” o dono.


Problemas do Sistema Imune

Ficar estressado por muito tempo enfraquece o sistema imunológico. Os problemas relacionados ao sistema imune melhora quando os níveis de estresse do cão diminuem.


Falta de atenção

O cérebro tem dificuldade de processar informações quando estressado.


Ficar encostado / “grudado” em alguém

O cão estressado procura contato humano para se tranquilizar.


Abaixar o corpo

Se esgueirar, agir como culpado ou afastar-se sorrateiramente (todas má interpretações da linguagem corporal canina) podem ser indicadores de estresse.


Beliscar / mordiscar

Usar a boca na nossa pele – pode ser um filhote explorando ou maus modos de um cão adulto, mas também podem ser expressões de estresse, variando de uma gentil mordiscada (como se estivesse nos coçando), morder nossos dedos quando pega um petisco até mordidas mais dolorosas e sérias.


Transtornos Obssessivo-Compulsivos

Incluem caçar moscas imaginárias, perseguir luzes e sombras, perseguir a cauda, comer objetos, “mamar” os flancos, automutilação e outros. Embora estes transtornos possam ser de origem genética, o comportamento em si geralmente é causado pelo estresse.


Ofegar

Respiração rápida, superficial ou pesada sem o cão estar aquecido ou ter acabado de se exercitar.


Movimentos rígidos

A tensão pode causar um endurecimento dos movimentos das patas, cauda e corpo.


Espreguiçar-se

Para relaxar os músculos tensos devido ao estresse, muitos cães se espreguiçam (pode ocorrer depois de acordar ou de ficar muito tempo no mesmo lugar).


Patas molhadas / suadas

O cão deixa pegadas de suor no chão, mesa de exame ou tapetes.


Tremer

Devido ao estresse (ou frio!).


Chorar

Uma vocalização aguda, que irrita a maioria dos humanos, é um indicador de estresse. Embora algumas pessoas a interpretem como excitação, um cão que está excitado a ponto de choramingar também está estressado.


Bocejar

Principalmente quando o cão não parece estar fatigado.


Mesmo nós, humanos, temos uma necessidade biológica de usar a linguagem corporal para expressar e aliviar o estresse.


Sem Provocação

Quase todo título “Cão Machuca Criança” é seguido por um artigo que inclui, entre outras coisas, estas duas frases:


  1. O cão sempre foi bom com crianças” e;

  2. Ele mordeu sem nenhum motivo”.


A maioria das pessoas que pensa que seu cão é “bom com crianças” não percebem que muitos apenas as toleram – na verdade os cães ficam estressados na presença delas, pelo menos em algum grau. Estes cães geralmente mostram baixos sinais de estresse, que poderiam avisar um dono mais atento, de que eles não acham os pequenos humanos tão legais assim. Cães que realmente são “bons com crianças” as adoram; não apenas as toleram. Ficam felizes ao vê-las e, como se dançassem, abanam o rabo, “sorriem” com olhos, mal podem esperar para ficar junto delas. Qualquer coisa menos que esta resposta alegre é mera tolerância.


Com a rara exceção da agressão idiopática aquela que não há uma causa real – toda mordida é provocada do ponto de vista do cão. Nós, como humanos, podemos achar que a mordida não tinha justificativa, mas para o cão tinha algum motivo sim. Em muitos casos a provocação está bem aparente nos artigos: o cão era mantido preso numa corrente ou canil pequeno; era uma cadela com filhotes; a criança ficou sozinha com o cão (que estava comendo). Em cada caso, o cão estava tão estressado que não conseguiu se controlar.


Melhore sua percepção de sinais de estresse. Examine as notícias sobre ataques de cães e veja se você consegue descobrir o agente causador do estresse e qual foi a provocação em cada incidente. Então proteja seu cão destas circunstâncias que podem levar com que ele morda alguém.

3 comentários:

DENISE DECHEN disse...

Fúlvia e Suzie,gostei muito do texto e gostaria da permissão para publica-lo no meu
Blog ,evidentemente com os devidos créditos:
http://dicaspeludas.blogspot.com/
Desde já grata pela atenção,
Denise Dechen

Pedro Fosque disse...

Ótimo post! Parabéns

Unknown disse...

O meu cão esta sempre a lamber não sei o que tem ele é muito inquieto e as vezes passa algum tempo sozinho mas o lamber não para