Todos os Direitos Reservados

Este site é protegido pela Lei dos Direitos Autorais (Lei nº 9610) e toda e qualquer reprodução, parcial ou total, de um texto de minha autoria sem autorização está terminantemente proibida! Portanto, usem suas próprias cabeças para escrever no seu site, ok?! Ou sejam humildes e peçam autorização. Obrigada

domingo, 21 de dezembro de 2008

Etiqueta Canina nas Festas de Fim de Ano



Você ouve a palavra etiqueta o tempo todo. Você sabe que significa fazer as coisas adequadamente em sociedade.


Na Wikipedia está definida como: "Etiqueta é o código que governa o esperado em comportamentos sociais, a norma convencional. Geralmente reflete fórmulas de conduta nas quais a sociedade e a tradição investiram".


Mas... e quanto à etiqueta canina? O que é apropriado? O que é esperado? O que é considerado normal, socialmente, para os cães?


Por exemplo, é melhor deixá-lo em casa? Como se preparar para uma visita? Se você leva seu cão junto com você, o que fazer quando chegar ao destino?


O artigo de hoje lhe ajudará a responder estas questões e a preparar seu cão para o fim do ano!


Planejando levar seu cão junto à casa de amigos ou parentes nestas festas? Pense duas vezes. Nem sempre as pessoas – ou os animais – lidam bem com visitas de fim de ano.

Razões para deixá-lo em casa
· Primeiro, muitos animais não gostam de sair de casa e eles não ficam ansiosos para ir brincar com o cachorro do seu primo. Na verdade, eles nem sabem o que estamos comemorando.

· Algumas das coisas que nós, humanos, esperamos o ano inteirinho não são nada além de barulho demais para muitos animais. As festividades podem perturbá-lo e ele chega a ficar meio chato. Os alimentos podem deixá-lo doente (eu que o diga... o primeiro Natal a Suzie comeu tender, peru e acabou tendo que tomar somente soro por dois dias – mesmo eu sendo vegetariana, minha família não , então...). As decorações podem ser uma ameaça à saúde. Os cães podem roer os fios elétricos e as fitas para presente podem ficar entaladas em suas gargantas. Algumas plantas, como o bico-de-papagaio, são perigosas aos cães.

· Outra razão para deixar o cão em casa é a sensibilidade dos anfitriões.

· Alguns anfitriões podem surtar com um pequeno acidente no tapete. Algumas pessoas têm alergias ou medo de cães – que não são fáceis de se ignorar. Outras geralmente parecem gostar da visita mas, com as festas, se tornam meticulosos malucos controladores, que se irritam facilmente com o jeito imprevisível dos animais.

Preparando para visitar
Nunca é demais dizer que os animais que viajam com os donos devem ser bem treinados. Se o seu cão tende a sujar o ambiente quando nervoso, se não para de pedir comida ou uiva durante a noite, faça um favor a todos e deixe-o em casa.

Antes de planejar qualquer coisa, converse com o anfitrião e pergunte se você pode mesmo levar seu cão. Mesmo que ele concorde, pergunte como ele, esposa e filhos realmente se sentem com relação aos animais. As crianças têm medo deles? A família sabe o que esperar do visitante de quatro patas? Se eles têm animais, eles se dão bem? O anfitrião está disposto a tornar a casa à prova de cães? Fazer um lugar seguro para o cão é difícil em qualquer época do ano, mas mais ainda nas festas, quando as decorações tradicionais se tornam um problema. A ingestão de tinsels (fitas que decoram as árvores) ou enfeites da árvores quebrados são emergências médicas.

· Nunca chegue com o cão sem avisar que ele vai – mesmo que você pense que sua visita foi bem-vinda no ano passado. A sua lembrança e a do anfitrião podem ser bem diferentes.

· Certifique-se que haja um lugar tranqüilo onde seu cão possa ficar sozinho. Se acontecer algo inesperado – as crianças se assustarem com ele; o cão deles ameaçar o seu – não é suficiente confinar seu cão na caixa de transporte no meio da sala. O melhor é que tenha um quarto extra onde você e seu cão possam ficar juntos. (Onde vamos, casa dos meus pais, sempre tem um lugar assim e a Suzie é bem vinda. Ainda bem que minha família gosta de cachorro: quanto a isso, não temos problema. Mesmo nos hotéis que ficamos, a Suzie sempre é convidada a voltar).

Viajando
· Coloque identificação em seu cão. Plaquinhas não são o suficiente. Tatuagens e microchips são mais seguros (precisamos urgentemente microchipar a Suzie... estamos protelando isso mas quero ver se o faço em 2009, logo no começo). Leve consigo carteira de vacinação e uma foto recente do seu cão, por precaução.

· Entenda como a viagem afeta o cão. Temperaturas que mudam bruscamente e lotação nos aeroportos são muito estressantes – até mesmo perigosas. Certifique-se com a companhia aérea sobre suas regras quanto ao transporte de animais. Os regulamentos podem mudar e cada companhia tem pequenas diferenças nos requisitos.

· Se você for viajar de carro, o congestionamento aumenta o tempo de viagem. Pare no caminho para que o cão se exercite e mantenha-o sempre na guia. Sempre leve os filhotes na caixa de transporte quando dentro do carro. Se ele tiver tendência a enjoar no carro, pergunte ao veterinário qual remédio ele pode tomar para aliviá-lo do problema ou reconsidere se a viagem vale o sacrifício do animal.

Quando você chegar
· Leve um presente para o cachorro do anfitrião, talvez um brinquedo ou petisco canino. Você também pode levar anti-histamínicos para os amigos alérgicos.

· Faça a mala do seu cão. Leve seus brinquedos favoritos e um cobertor. Inclua artigos de higiene para evitar pelos espalhados pela casa e um removedor de odores. Se você não sabe se a ração que ele come é vendida na cidade onde vocês estão indo, leve de casa (eu sempre levo a ração dela, bastante, pra não faltar, embora em Campinas seja vendida. Mas nunca é demais levar tudo com você).

· Apresente os animais devagar. Não apresente seu pequeno visitante logo de cara para o cão do anfitrião e nem permita que seu cão entre derrubando tudo para anunciar sua chegada (a Suzie não entra derrubando tudo... mas ela entra como um foguete e eu não consigo mudar esse comportamento... é uma felicidade imensa ir pra casa da minha mãe!).

· Mantenha seu cão na guia quando chegar (fazemos isso nos hotéis, principalmente. Nunca a deixamos solta, somente dentro do quarto). O legal é que você e o anfitrião saiam para passear com os cães – sempre com a guia, claro – antes de deixá-los entrar em casa.

· Não deixe seu cão sozinho com o cão dono da casa.

Fonte: Dog Crazy Newsletter.